Receba noticias em seu Whatsapp gratis





Libras



Nova Iguaçu: De auxiliar de enfermagem à médica, a trajetória de superação de Luciana de Carvalho, funcionária do HGNI | Jornal em Destaque por Helio de Carvalho em Governo Municipal

Nova Iguaçu: De auxiliar de enfermagem à médica, a trajetória de superação de Luciana de Carvalho, funcionária do HGNI



Nova Iguaçu: De auxiliar de enfermagem à médica, a trajetória de superação de Luciana de Carvalho, funcionária do HGNI

31/08/2021 14:26 ( Atualizado em 10/09/2021 12:30) | Nova Iguaçu | Governo Municipal |

Helio de Carvalho

Mulher negra, que viveu em uma comunidade na Baixada Fluminense, superou inúmeros obstáculos ao longo de sua trajetória profissional e continua a vencer na vida. Assim pode ser definida Luciana de Carvalho, de 62 anos de idade, a mais nova médica do Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), considerado por ela como sua segunda casa. Afinal, 26 deles foram trabalhados na área da enfermagem. Em julho de 2021, ela se formou em medicina e, agora, começa a escrever um novo capítulo de sua história dentro da unidade.

Atendendo agora no setor de emergência, de segunda a sexta-feira, e, também, desempenhando funções de gerenciamento no centro cirúrgico, Luciana lembra, com muito orgulho, de sua trajetória no HGNI. Ela chegou em 1995, como instrumentadora cirúrgica e auxiliar de enfermagem. Pouco tempo depois, Luciana se tornou técnica em enfermagem, atuando em praticamente todos os setores da unidade. Em 2004, iniciou sua graduação em enfermagem, concluindo a formação quatro anos depois, no Centro Universitário Celso Lisboa. Trabalhou como enfermeira até 2013, quando surgiu o convite para assumir a Superintendência de Enfermagem. Dois anos depois, inicia seus estudos em medicina, conciliando o perfil de gestora ao de estudante.

Foi um grande desafio. Chorei muitas das vezes, certa de que desistiria. Cansaço, idade e responsabilidade pesavam. Mas graças à equipe maravilhosa que eu tenho aqui no HGNI e à minha família, que sempre me amparou, eu consegui me formar em medicina. Foi difícil, mas venci”, conta ela.

Optar pela formação em medicina aconteceu no momento mais difícil da vida pessoal de Luciana. Mãe solteira na época, ela perdeu seu único filho, assassinado. Com isso, qualquer tipo de sonho foi interrompido brutalmente. Seus colegas de trabalho do HGNI a incentivaram a voltar a estudar para tentar amenizar a dor. Foi aprovada no vestibular e iniciou a graduação em medicina, em 2015, pela Universidade Nova Iguaçu (UNIG).

No início da formação, eu não tinha motivação. Só tristeza. Mas percebi que poderia ser útil aos jovens e mães dos jovens que poderiam passar pelo que vivi. Isto me incentivou a continuar fazendo medicina. A situação envolvendo meu filho me fez perceber que eu poderia ser um ser humano melhor para reproduzir dentro do meu trabalho o amor, a fé e caridade que faço até hoje”, recorda ela.

Apelidada carinhosamente como Vovózona pelos colegas de universidade, Luciana também enfrentou situações complicadas. Sem condições financeiras, ela estudava com cópias de livros. Isto chamou a atenção do amigo e incentivador Joé Sestello, hoje diretor geral do HGNI.

Um dia, o Joé me perguntou como eu fazia para estudar e eu disse que era através das cópias das páginas de livros, pois não tinha condições de comprar os livros. Então, ele me presenteou com meu primeiro livro, e me pediu para estudar nele. Joé sempre me incentivou a seguir em frente. Tenho um carinho enorme por ele e por toda a equipe do HGNI”, diz emocionada.

O caminho dos estudos não vai parar para Luciana. Ela quer fazer duas especializações médicas, sendo a primeira em cuidados paliativos. Tem interesse também pela psiquiatria.

Escolhi me candidatar para cuidados paliativos porque, se nós juramos salvar vida e cuidar de vidas, temos que ajudar a quem, ao longo da vida, adquiriu alguma doença que a afasta da sociedade e do convívio da família, como o HIV, câncer e outras patologias. Quero cuidar e dar dignidade, apreço e carinho ao paciente e seu familiar”, explica ela. “Já a psiquiatria me ocorreu durante um estágio, ao abordar um paciente que tinha aproximadamente 20 anos que pedia socorro. Isto me chamou a atenção. Após a pandemia, quero poder cuidar dos casos que surgirem”.

Entre dificuldades, superações e apoio de todos ao redor, a médica tem grandes planos para a carreira, mas sem jamais se esquecer de suas origens, quando morava em Nova Iguaçu, em uma comunidade que hoje faz parte de Mesquita, e guarda com muito amor a enfermagem.

A enfermagem me proporcionou ser médica. Está dentro do meu coração. Graças a ela que eu posso me imaginar sendo uma médica ativa, e, se Deus quiser, praticando o amor, a confiança ao próximo e fazer o bem sem olhar a quem. Este é o meu mais sincero desejo”, concluiu sua história pessoal e profissional, Luciana de Carvalho.

 

(Fotos: Renato Fonseca / PMNI)






Gostou deste assunto?

Seus amigos também podem gostar:

Compartilhe!













 
  • Política de Erros
  • Política de Privacidade
  • Termos de Uso
  • Sobre o Jornal em Destaque
  • Contato
  • JORNAL EM DESTAQUE | Todos os Direitos Reservados



    DESENVOLVIDO POR
    RIOBRASIL