Miguel Pereira 16 º 28 º
Moedas





Receba noticias em seu Whatsapp gratis







Libras



Chanceler alemão Olaf Scholz viaja ao Brasil para encontro com Lula | Jornal Em Destaque por Helio de Carvalho em Política

Chanceler alemão Olaf Scholz viaja ao Brasil para encontro com Lula

Agendado para 30 de janeiro, Scholz e Lula irão debater proteção ambiental e crescimento da extrema direita no mundo, entre outros temas



Chanceler alemão Olaf Scholz viaja ao Brasil para encontro com Lula Classificação

17/10 14:05 ( Atualizado em 21/01/2023 14:06) | Brasília | Política |

Helio de Carvalho

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, visitará o Brasil e se encontrará com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na segunda-feira (30). A informação foi confirmada nesta sexta-feira (20) pelo embaixador alemão no Brasil, Heiko Thoms, em post no Twitter. A data já fora antecipada por Lula, mas, até então, sem confirmação por fontes diplomáticas alemãs.

Para Thoms, a visita de Scholz ao Brasil, a segunda de uma autoridade alemã em menos de um mês, é um "sinal de fortalecimento da cooperação" entre as duas nações. Em 1º de janeiro, o presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, esteve na posse de Lula.

Na ocasião, falando a jornalistas alemães, Steinmeier, disse ser bom saber que o Brasil está de volta aos palcos internacionais.

Nós precisamos do Brasil, precisamos da liderança política brasileira, que o país desempenhe o seu papel. E não apenas na economia, como também na proteção climática global", declarou o chefe de Estado alemão.

No dia anterior à posse, Lula e Steinmeier tiveram um encontro bilateral amistoso.

Viagem à América do Sul

Scholz viajará para a América do Sul na companhia de ministros e de representantes de grandes empresas alemãs. A comitiva também visitará a Argentina e o Chile. Os três países sul-americanos têm atualmente governos de esquerda, enquanto o Partido Social Democrata da Alemanha (SPD), de Scholz, é de centro-esquerda.

De acordo com o porta-voz do governo alemão, Steffen Hebestrei, a viagem reforça a importância da região como parceira do governo federal no aprofundamento das relações político-econômicas e no combate às mudanças climáticas.

Segundo Hebestreit, o governo alemão também vê os três países como parceiros valiosos na luta por uma ordem internacional multipolar e baseada em regras.

Thoms destacou ainda que a ministra alemã da Cooperação, Svenja Schulze, também estará em Brasília no fim do mês:

Estamos prontos para lutar juntos pela proteção da floresta tropical e pelo desenvolvimento socialmente justo e inclusivo", escreveu no Twitter.

Fundo Amazônico

Após um distanciamento do Brasil durante o governo de Jair Bolsonaro, a Alemanha, importante parceiro comercial brasileiro, tem manifestado interesse numa reaproximação política. Uma das possibilidades é que o país europeu destine mais recursos financeiros para custear projetos e ações de preservação ambiental principalmente na Amazônia.

No começo de janeiro, quando Steinmeier esteve no Brasil, a Alemanha anunciou o desbloqueio de 35 milhões de euros destinados ao Fundo Amazônia, a título de compensação pela redução do desmatamento no bioma amazônico durante o ano de 2017, ainda na gestão de Michel Temer.

Criado em 2008, o fundo recebe doações de instituições e governos internacionais para financiar ações de prevenção e combate ao desmatamento na Amazônia Legal. Os recursos são usados para financiar projetos de redução do desmatamento e a fiscalização do bioma.

Bolsonaro protagonizou vários ataques verbais ao governo alemão, especialmente quando Berlim cobrou mais proteção ambiental no Brasil. O governo brasileiro também promoveu mudanças unilaterais na gestão do Fundo Amazônia, que conta com recursos da Alemanha e da Noruega, provocando críticas dos dois países e paralisando o programa. Diante do desmonte de políticas ambientais no Brasil, Berlim também congelou o envio de recursos para programas ambientais ao país sul-americano durante a era Bolsonaro.

No início de novembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o governo brasileiro reativasse o fundo em até 60 dias. A medida foi cumprida na atual gestão. Em seu primeiro dia à frente do Poder Executivo, Lula assinou um decreto autorizando o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a voltar a captar doações financeiras para o Fundo Amazônia.

Além da área ambiental, Lula e Scholz também devem discutir formas de ampliar as relações comerciais bilaterais e debater o crescimento da extrema direita em vários países. 

Um dia após a invasão das sedes dos Três Poderes por bolsonaristas radicais, Scholz usou o Twitter para condenar os atos golpistas e a depredação do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do prédio do Supremo Tribunal Federal (STF).

Imagens terríveis nos chegam do Brasil. Os ataques violentos contra as instituições democráticas são um atentado à democracia que não pode ser tolerado. Estamos profundamente solidários com o presidente Lula e com o povo brasileiro", escreveu Scholz no Twitter.

Relações estremecidas

Nos últimos quatro anos, Brasil e Alemanha se distanciaram. Nem Scholz, nem sua antecessora, Angela Merkel (de centro-direita, no cargo até dezembro de 2021) visitaram o Brasil enquanto Bolsonaro ocupou o Planalto. O brasileiro tampouco foi convidado para visitas de Estado ao país europeu.

Em 2019, a então chanceler federal Angela Merkel disse ver com grande preocupação a situação no Brasil sob Bolsonaro. Em 2020, o governo alemão ainda admitiu que a cooperação com o governo federal brasileiro em áreas como política ambiental e assistência aos povos indígenas estava sendo cada vez mais difícil.

Embora os atritos entre os dois países não tenham sido tão explícitos como os enfrentados pela França com Bolsonaro, o SPD, que participava da coalizão de Merkel e atualmente lidera o governo alemão, não escondeu sua preferência por Lula durante a campanha eleitoral.

Em novembro de 2021, Scholz chegou a se encontrar com o petista em Berlim após o resultado da última eleição alemã, quando ainda negociava a formação do atual governo. Diversas figuras do SPD também manifestaram solidariedade a Lula enquanto o petista esteve preso.

Conteúdo: DW Brasil

__________________________________________

Os leitores são a força e a vida do jornal

A contribuição do EM DESTAQUE para a vida democrática da região reside na força da relação com os seus leitores. Quanto maior for o teu apoio, maior será a nossa legitimidade e a relevância do nosso jornalismo. Apoiar o EM DESTAQUE é também um ato cívico, um sinal de empenho na defesa de uma sociedade aberta, baseada na lei e na razão em favor de todos ou, em outras palavras, na recusa da manipulação para privilégio de alguns.

Apoie o ED seguindo o site e as redes sociais deste jornal que virou fonte de notícias do Google News e que há dois anos disponibiliza conteúdo nos principais tocadores de podcasts: ED, o jornal local sem fronteiras para a notícia!









Gostou deste assunto?

Seus amigos também podem gostar:

Compartilhe!














 
  • Política de Erros
  • Política de Privacidade
  • Termos de Uso
  • Sobre o Jornal em Destaque
  • Contato
  • JORNAL EM DESTAQUE | Todos os Direitos Reservados



    DESENVOLVIDO POR
    RIOBRASIL