Receba noticias em seu Whatsapp gratis







Libras



A REFORMA TRIBUTÁRIA E O ISOLAMENTO DE QUEM NEGA A POLÍTICA | Jornal Em Destaque por Samuel Marques em Colunista


Ouça a Noticia!

A REFORMA TRIBUTÁRIA E O ISOLAMENTO DE QUEM NEGA A POLÍTICA



A REFORMA TRIBUTÁRIA E O ISOLAMENTO DE QUEM NEGA A POLÍTICA Classificação

Postado há 7 meses | Rio de Janeiro | Colunista |

Samuel Marques

Que Bolsonaro sempre negou a política nós já sabemos, e que isso nunca fez muito sentido, também. As pessoas caírem nessa esparrela sim, é algo que precisamos analisar, mas no momento. Apenas para reflexão, vale a informação de que estamos falando de um cara que passou 28 anos como Deputado e teve apenas dois Projetos de Lei aprovados; que nunca abriu mão de nenhum penduricalho e que colocou todos os filhos na política, ou seja, ele é, e sempre foi político, e, portanto, como representaria a luta contra o “establishment”. Mas ele preferiu negar a política sempre, até porque nunca soube bem como fazer, e se cercou de tantos incompetentes que fica muito difícil ser diferente disto.

Aonde eu quero chegar? Na mais nova manobra errada do ex-presidente que acarretou mais uma crise dentro do seu partido e em meio a seus aliados. A votação da Reforma Tributária na Câmara teve um resultado acachapante para a oposição e, como digo sempre, por um motivo muito simples: não dava para ser contra. E isto ocorreu não porque a proposta é espetacular e perfeita, não. Mas porque o Brasil a discute há 35 anos, e nunca saia do papel. Existia um clamor de todos os lados: do povo, da mídia, do mercado e da política. Felizmente houve consenso, recuos de todos os lados e, assim, foi construída uma narrativa única de necessidade.

Bolsonaro, por sua vez, não pensou no seu grupo e time - como sempre, pensou nele. Na tentativa de agradar seus acéfalos, os que nada tem a perder, os que ficam pela internet falando bobagem e inventando mentiras, sem ter a responsabilidade de governar um boteco que seja. Enfim, o cara discutiu com Tarcísio, governador de São Paulo, constrangeu o cara em público; nos bastidores ficou falando mal dele e, no final, 20 deputados do seu próprio partido votaram a favor da Reforma, além do Republicanos, em peso - o partido do Governador. O saldo é ainda pior: Lula saiu fortalecido, porque pegou na mão da articulação e fez aprovar o mesmo projeto que Bolsonaro teve quatro anos e não conseguiu. O ex-presidente agora é chamado de isolado pelos próprios aliados, está inelegível e sem sequer poder receber dinheiro do Partido. Tarcísio, o Governador que ele tentou ofender, diz que está tudo bem, mas sabemos que não está, e ele tem, agora, uma oportunidade de ouro: ir aos poucos se afastando de Bolsonaro e de sua horda de imbecis.

Mas, Bolsonaro tem os votos e o apelo popular - diria, o gado mais entusiasmado. Porém, isto mudará quando os números econômicos começarem e a vida desse cara começarem a melhorar. Até porque o combustível está mais barato, os alimentos também e o dólar segue caindo. Nenhuma igreja fechada e a inflação em declínio. E mesmo que as coisas não melhorassem, a tendência, se ele continuar a trabalhar apenas com os seus próprios interesses, é o isolamento e ostracismo político, que pode ainda significar voto, mas sem os números necessários para ser indispensável.

A Reforma é indiscutivelmente importante, e a base de aliados de Bolsonaro não vão poder ficar batendo e votando contra, sob a pena de ser condenados por suas bases eleitorais. Só faz isto os que vivem de cortina de fumaça ideológica e da pauta de costume - o que não muda em nada a vida das pessoas de verdade.

Fica a dica, negar a política é a arma dos fracos, e esse ensinamento vale também para a nossa vida dentro das cidades e na sua política. Não adianta sair por aí gritando em praça pública, aos ventos, apenas para poder dizer que marcou posição. A política é mais que isto, e os tempos mudaram. Óbvio que o fator econômico ainda é decisivo, mas sem planejamento e inteligência não se chega a lugar nenhum.

Fica o ensinamento básico que pode explicar o que rolou em Brasília, na aprovação na Câmara da Reforma Tributária: a política não é para amadores e irresponsáveis.   

___________

Apoie o Em Destaque seguindo o site e as redes sociais deste jornal que virou fonte de notícias do Google News, e que há mais de dois anos disponibiliza conteúdo nos principais tocadores de podcasts. Em Destaque, o jornal local sem fronteiras para a notícia!









Gostou deste assunto?

Seus amigos também podem gostar:

Compartilhe!














 
  • Política de Erros
  • Política de Privacidade
  • Termos de Uso
  • Sobre o Jornal em Destaque
  • Contato
  • JORNAL EM DESTAQUE | Todos os Direitos Reservados



    DESENVOLVIDO POR
    RIOBRASIL