Liberação do uso de máscaras no Rio é considerada precipitação, pelo Observatório Fiocruz Covid-19





08/03/2022 10:38 ( Atualizado em 08/03/2022 10:39) | Rio de Janeiro | Covid-19 |

Helio de Carvalho: Jornalista do ED:


O Rio de Janeiro não é uma ilha, explicou o pesquisador em saúde pública Raphael Guimarães


Pesquisadores do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) acreditam que a liberação do uso de máscaras em ambientes fechados no Rio, decidida na manhã desta segunda-feira (7) pelo Comitê Científico da prefeitura, é uma decisão precipitada e que deveria ser realizada em etapas.

O Rio de Janeiro não é uma ilha, está cercado por outras cidades da Região Metropolitana, com índices de coberturas vacinais e taxas vacinais diferentes”, disse o pesquisador em saúde pública Raphael Guimarães.

Segundo Guimarães, a cidade recebe “um aporte considerável diário de pessoas de vários lugares”, e isto deveria ter sido levado em consideração. Ele defende que a medida fosse realizada de forma gradativa.

Deveria estar sendo feito primeiro em locais abertos, abertos com aglomeração para só depois em lugares fechados”, ressaltou.

O pesquisador reconhece a redução substancial nos índices de contaminação pela doença no Rio de Janeiro, mas defende um intervalo de pelo menos duas semanas antes da decisão de flexibilizar o uso do acessório.

Em duas semanas, já seria possível uma noção sobre aumento de casos ou interrupção na queda”, disse Guimarães.

Uma edição extra do Diário Oficial publicada na tarde desta segunda-feira (7) trouxe um decreto do prefeito Eduardo Paes (PSD) com o fim da obrigatoriedade.

O Rio é a primeira capital do país a fazê-lo.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, ressaltou, no entanto, que a exigência do passaporte vacinal continua mantida pelo menos até o fim de março - ou quando a cidade chegar a 70% da população adulta com a dose de reforço. Hoje esse indicador está em 54%.

Temos a menor transmissão desde o começo da pandemia, de 0,3, e uma positividade menor que 5%, com uma redução gradativa ao longo das últimas semanas”, afirmou Soranz.

Hoje é cada vez mais difícil ver um caso grave de Covid no Rio por causa da nossa alta cobertura vacinal”, pontuou o secretário.

Ainda segundo Soranz, se o carnaval tivesse causado alguma mudança, “a prefeitura estaria vendo uma alteração nos índices. O Rio tem hoje uma das melhores coberturas vacinais do país, e certamente uma das melhores do mundo, o que nos coloca em um cenário, bastante favorável para reduzir medidas restritivas”.

 

Exceções

Soranz atentou para casos pontuais para o uso de máscara.

Importante enfatizar que as pessoas que possuem imunossupressão ou comorbidades graves e que não tenham se vacinado sigam usando máscara”, afirmou. Pessoas que estão com sintomas respiratórios também devem usar máscara para evitar transmissão. Outra ação que a secretaria vai manter é a capacidade de testagem”, emendou.

De acordo com Daniel Becker, médico pediatra sanitarista e membro do comitê, é recomendado que as crianças que ainda não têm as duas doses da vacina ainda usem máscaras até atingir a cobertura completa.

A decisão no ambiente escolar ficará a cargo de cada escola, segundo Becker.

Foi um consenso. Os dados epidemiológicos são favoráveis. Este é o melhor momento para liberar as máscaras”, disse Becker.

Para a população adulta, a vacinação completa, no caso, são as duas doses e a dose de reforço.

 

(Em foto de outubro de 2021, mulher preferiu sair de máscara em Copacabana, mesmo após o fim da obrigatoriedade em áreas abertas - Crédito: Marcos Serra Lima/g1)

______________________________________

ED, um jornal nacional: Fique por dentro da evolução do jornal que virou fonte de notícias do Google News